quarta-feira, 25 de março de 2015

Cabeça



Leitura de Cabeça, de Adélia Prado, no Sarau Subsolo, que acontece mensalmente na Livraria Armazém Literário, reduto boêmio na cidade de Uberlândia (MG), desde 2013. Produzido pela Agência Cultural & Editora Subsolo, reúne poetas e escritores interpretando seus poemas e textos com performances e apresentações cênicas e musicais, que podem ser conferidas no SoundCloud.

Gritava até parar, quando eu sofria dos nervos.

segunda-feira, 23 de março de 2015

Amando palavras no 301

O livro Amando palavras está quase saindo do forno! Nesse último domingo(22), reuni amigos no meu apartamento para juntos celebrarmos esse acontecimento, a vida e a poesia. Foi um dia de domingo memorável. Karine Belle, bellamente, registrou nossos momentos...

































sexta-feira, 13 de março de 2015

Verdade provisória

Samuel Giacomelli, amante do corpo, das palavras, sons e cores, irá lançar seu livro de poemas Verdade Provisória, em maio deste ano. Pelo Catarse, as pessoas podem contribuir financeiramente para sua publicação em troca de recompensas; a principal delas, o próprio livro. Faltam 15 dias para a campanha acabar. Ainda dá tempo!

segunda-feira, 2 de março de 2015

sexta-feira, 27 de fevereiro de 2015

Noite branca

Leitura de Noite branca por minha amiga Franciele Laura. Gratidão a ela e a Karina Belle pelo belo vídeo.

quarta-feira, 18 de fevereiro de 2015

Para uma avenca partindo

Entre cafés, cigarros e taças de vinho, Lígia Sene, mais uma amante das palavras, oferece-me como presente a leitura de um texto do Caio Fernando Abreu para compor nossa boa prosa.

Lígia, gratidão.

(Teus olhos castanhos me metem mais medo que um dia de sol.)



ABREU, Caio Fernando. O ovo apunhalado. Porto Alegre: Globo, 1975.

terça-feira, 3 de fevereiro de 2015

Lar



Carson Ellis, aclamada ilustradora canadense da série Wildwood, fez sua estréia solo este ano com a obra Home, na qual faz um tributo para as muitas possibilidades de um lar e seus respectivos moradores. Uma meditação sobre o conceito de casa e um deleite visual que convida as visitas ao retorno.












sábado, 17 de janeiro de 2015

segunda-feira, 5 de janeiro de 2015

Amor violeta

O amor me fere é debaixo do braço, 
de um vão entre as costelas. 
Atinge o meu coração é por esta via inclinada. 
Eu ponho o amor no pilão com cinza 
e grão de roxo e soco. Macero ele, 
faço dele cataplasma 
e ponho sobre a ferida.

Adélia Prado, em Bagagem